ADOLESCÊNCIA E ERRÂNCIA - DESTINOS DO LAÇO SOCIAL NO CONTEMPORÂNEO

Entregas para o CEP:
Meios de envio
  • Livraria e Editora Scriptum Rua Fernandes Tourinho, 99, Belo Horizonte (MG) - Atendimento de Segunda à Sexta das 9:00 às 20:00 e aos Sábados das 9:00 às 15:00
    Grátis

Adolescência e Errância apresenta um panorama da condição da adolescência no séc. XXI. Mais do que em qualquer outra época, o jovem de hoje participa das mudanças aceleradas pelas quais vem passando a sociedade. Não é difícil perceber que, diante desse quadro de instabilidade, o jovem torna-se vulnerável, sem referências para a construção de sua história e de seus projetos. De outro lado, as mensagens veiculadas pela sociedade são em geral centradas no estereótipo do jovem como aquele que é livre, que não se submete às regras e pode, portanto, gozar de todos os prazeres da vida, o que só contribui para agravar o quadro de vulnerabilidade. Na nossa sociedade individualista, o adolescente encarna ao mesmo tempo o ideal social e o sintoma de uma crise.

Suspenso num campo indefinido entre o público e o privado, entre a criança e a vida adulta, o adolescente é uma figura provisória, marcada pela errância. Para ancorar sua existência fluida, os adolescentes buscam se identificar como podem: formam hordas, bandos e fratrias que se fazem e desfazem com a mesma rapidez.

De um ponto de vista menos catastrofista do que aquele que liga os jovens e a adolescência às drogas, à violência, e a um estado de ameaça e decadência de valores, as chamadas “tribos” podem ser pensadas como uma dinâmica de inventividade e singularização que acontecem dentro da sociedade contemporânea. Numa cultura marcada pelo individualismo, caracterizada pela fragmentação e pulverização de referências simbólicas que ajudem a passagem do adolescente para uma nova inserção social no mundo, podemos supor que as tribos representam espaços de encontro e partilha da experiência da adolescência, tentativas coletivas de fazer valer um ideal coletivo, produzido pelos próprios jovens.