ATRAVÉS DO VIDRO - Amor e desejo

Através Do Vidro, de Heloisa Seixas, faz parte da Coleção Amores Extremos, projeto da Editora Record para homenagear as várias formas de amor. Composta de novelas escritas só por mulheres e abordando as diferentes faces de Eros, a coleção conta, também, com trabalhos de Ana Maria Machado e Helena Jobim. "Antes do convite da editora, eu já tinha tido uma ideia de uma história envolvendo desejo e fantasia erótica" conta a autora. "Tomei um susto quando me pediram uma novela justamente sobre esse tema. Achei algo assombrado" completa Heloisa, que sempre relaciona o escrever com um mergulho no desconhecido. 

Considerada por Carlos Heitor Cony “uma das maiores revelações literárias dos últimos anos”, Heloisa Seixas foi escolhida para a Coleção Amores Extremos justamente por sua atração pelo desconhecido, pelo proscrito, pelos contrapontos e pelas suas correlações entre sombra e luz, amor e morte. Através do vidro é justamente isso. Uma metáfora sobre sonhos impossíveis e a força do erotismo. Nele, Heloisa Seixas mostra como o desejo pode se alimentar de si próprio, sem necessariamente buscar o preenchimento ou a realização. Heloisa entende — e mostra — o desejo principalmente como algo longamente ansiado. "Apesar de várias cenas de erotismo" explica a autora, "essa não é uma história erótica. O erotismo vem mesclado ao amor romântico". É a trajetória de um amor idealizado. 

Numa atmosfera densa e obsessiva — traço marcante do trabalho de Heloisa —, a autora envolve o leitor num mundo de causa e consequência, de possibilidade e escolha, ao contar a história de um homem e uma mulher que se reencontram anos após um namorico de adolescência. Mesmo casada, a mulher não resiste ao desejo proibido de se entregar à nostalgia. E ao olhar para seu passado, distorcido pelo vidro do tempo, vê aquele amor como sua única salvação, a única maneira de se provar viva. O proibido só torna o encontro mais excitante, como um doce atrás de uma vitrine.